Exercício poético

Teseu

Aquele que de manhã vejo chegar,
cambaleante, exausto, ignóbil,
arquejante, no seu vício pungente,
que em breve (assim parece!)
ser-lhe-á por fim fatal.
Que vazio o seu olhar exprime.
Já não lhe restam forças para lutar
contra o feroz monstro;
ao princípio ainda tentou, mas perdeu-se,
e a luta agora está encerrada.
Se ao menos, como aquela
que nasceu nos confins do tempo
com tantos outros mais,
pudesse eu, ou outrem
ajudar-lhe a escapar…

Marlene Andrade
(Psicologia)

2 comments

  1. O poema está mesmo lindo! Nota-se que é inspirado no mito, mas adquire um outro contexto e dinâmica. A ideia que transmite é profunda, na medida em que torna aparente a fragilidade e a ânsia da presença do outro, por parte do ser humano. Excelente reescrita mitológica, colega.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s