Exercício poético

Canta, ó musa!
Os fios intrincados
do “nada que é tudo”
do silêncio que é som
e do som que é silêncio.
Potência misteriosa,
primordial, intemporal,
para a qual fazer
é um refazer infinito.
O ínfimo impulso primitivo,
a dúvida incessante,
tornando o “era uma vez”
em muitas vezes.
Embebido no pensamento,
metamorfoseado no sentimento,
inflamando as gélidas mentes
tal como Hefesto domina o fogo,
invocando as almas nuas
para a cólera, para o amor!

Longo e imensurável tempo,
que o invisível, visível torna,
que das cinzas de Alexandria
fez multiplicar o “talvez”,
tal como as cabeças de Hidra
serpente marinha de Lerna
cujo respirar era fatal.
E nós, errantes viajantes,
vislumbramos a nossa finitude:
perecíveis, ilusoriamente invencíveis,
quase fragmentos.
Apenas imagens…
Leves sombras…

Poema elaborado em conjunto por:
Marlene Andrade
Soraia Andrade
Verónica Sousa
(Licenciatura em Psicologia)

2 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s