Filme: Irmão, onde estás? Deixa os teus comentários.

Abre-se aqui um espaço para apresentarem comentários sobre o filme dos irmãos Coen, Irmão, onde estás?, que recria a Odisseia de Homero.

Partilha as tuas reflexões!

4 comments

  1. Reconheço desde já que sem a competência entretanto adquirida no âmbito da cadeira jamais conseguiria estabelecer uma correspondência com a versao original, embora as evidências estejam presentes as mesmas exigem uma bagagem de conhecimento e uma atençao constante ao longo do filme. Mas uma vez na presença dessa mesma bagagem de competências consegue-se estabelecer comparaçoes ´com o original e até identificar episódios bem semelhantes como o canto das sereias o episódio do ciclope. Fiquei com a ideia de que foi uma reescrita bem conseguida, uma versao com algum humor também e que respeita alguns parametros da história original, ou seja, mantém uma certa coerência.

  2. Com os conhecimentos da cadeira e outras em que abordamos a épica Odisseia e outras obras desse interesse e conhecimento, foi possivel a meu ver conseguir estabelecer ligações deste filme fantastico e com a Odisseia de Homero. Achei tão fantastico que voltei a ver na telecine 4 e 2, para os interessados.Saudações académicas para todos!Eliana Santos

  3. Sem sombra de dúvidas que, com o conhecimento adquirido através da cadeira de CCC, a interpretação que fazemos do filme a que assistimos atinge um outro patamar. Não só a sua assistência torna-se mais interessante e expectativa, como também a interpretação que dele fazemos é muito mais complexa, rica e esclarecedora, comparando com aquela que é formada por um espectador sem qualquer conhecimento acerca da Odisseia. Relativamente á ligação existente entre a obra e o filme, de facto, os aspectos da sereia e dos obstáculos saltam à vista do espectador, como a autora do comentário anterior referiu, mas outros aspectos são ainda implícitos, como, por exemplo, a astúcia e inteligência de Ulisses e a referência à imprudência dos companheiros de aventura. Ressalvo ainda a excelência do filme que deu a conhecer, com alguma comicidade, o clássico que é a odisseia, atribuindo-lhe a valorização e exaltação que lhe é devida. verónica sousa, psicologia

  4. Em primeiro lugar, refiro que o trabalho dos irmãos Coen é fabuloso, conheço apenas parte da sua obra, mas cada filme com o seu cunho surpreende, pela qualidade e pela originalidade. Irmão, onde estás? era um dos que não conhecia, mas após ter assistido ao mesmo, na aula de Terça-Feira, não foi excepção: qualidade, complexidade e originalidade no seu melhor. Atrevo-me a escrever que nunca assisti a um filme que fosse inspirado numa obra, e ao mesmo tempo, conseguisse deter um cunho tão singular e próprio, feito assombroso (sobretudo quando essa mesma obra que serve de base, é um clássico da amplitude da Odisseia).Em segundo lugar, e tal como os autores dos anteriores comentários, deixo bem patente que, sem os conhecimentos que adquiri no primeiro Módulo da cadeira de Civilizações e Culturas Clássicas, o paralelo entre a Épica de Homero e o filme dos irmãos Coen seria bastante difícil de fazer. Julgo que ficar-se-ia por elementos básicos, tais como a invocação à Musa na abertura, e o facto da personagem interpretada por Clooney ter “Ulisses” no nome.Contudo, após termos estudado a Odisseia a um nível bastante profundo, as analogias são mais claras e também mais interessantes. Encontramos alguns dos elementos mais interessantes da Épica no filme. O primeiro que identifiquei foi Tirésias, o profeta cego, que diz aos três companheiros o que irá acontecer no futuro. O episódio do Ciclope, também está presente no filme, personificado, penso eu, no fantástico actor John Goodman. No entanto, a cena que achei mais rica em paralelos, de entre todas, foi aquela em que os três companheiros chegam à praia e encontram as três raparigas. Automaticamente, lembrei-me primeiro, não das sereias, mas sim do episódio de Nausícaa, quando esta se encontra com as servas, lavando roupa. A comparação com as sereias surge de seguida, e por último, quando um dos companheiros desaparece, e duas suas roupas surge um sapo, lembrei-me de Circe, que com feitiçaria transformou os companheiros de Ulisses em porcos. Em termos de semelhanças no que concerne ao retrato psicológico, a eloquência de Ulisses, e a sua superioridade intelectual em relação aos companheiros está bem patente, assim como a irreflexão e precipitação dos últimos. Quanto à mulher de Ulisses, tal como Penélope, era a sensatez em pessoa (pelos argumentos que apresenta a Ulisses quando se encontram), mas quanto à fidelidade…nem tanto.Óptimo filme, rico em elementos cómicos (a obsessão da personagem de Clooney pela brilhantina e pelo cabelo é hilariante!), os actores que formam o trio de aventureiros funcionam na perfeição. Extremamente divertido de assistir, só faltou mesmo Elpenor, “pesado de vinho” descambar de um telhado qualquer!Marlene Andrade (Psicologia)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s