Exercício livre

Qual o teu episódio favorito da Odisseia? Justifica.

[Escreve a resposta no espaço para comentários]

2 comments

  1. A Odisseia tem imensos episódios interessantes, e personagens mais interessantes ainda. Apesar de adorar a mitologia, e as cenas em que figuram os deuses, o episódio que gostei mais foi o do reconhecimento de Ulisses pela velha ama, Euricleia, no canto XIX. Achei lindíssimas, as frases que Penélope disse a Ulisses, sem saber que falava com o próprio:"Tenho uma serva velha, muito compreensiva,que amamentou e criou o meu pobre marido,recebendo-o nos braços no dia em que a mãe o deu à luz.Ela te lavará os pés, embora esteja já diminuída pela idade.Anda lá, ó sensata Euricleia, levanta-te agora:lava os pés de quem tem a idade do teu amo. Serão assimos pés e as mãos de Ulisses; pois rapidamenteos homens envelhecem em circunstâncias adversas."E os versos do momento do reconhecimento:"Ao espírito da anciã vieram ao mesmo tempo alegria e tristeza.Os olhos encheram-se de lágrimas; a voz ficou presa na garganta.Tocou no queixo de Ulisses e logo lhe dirigiu estas palavras:"És Ulisses, meu querido filho! E eu que não te reconheci,antes de tocar com as minhas mãos no corpo do amo!""Foi a parte da obra que mais me emocionou, porque valoriza imenso a parte humana, e os sentimentos, algo que, na minha opinião, todos os outros cantos não valorizam, visto terem como objectivo enaltecer a inteligência e os "ardis" de Ulisses, e os perigos e situações que ele enfrenta para regressar a Ítaca. E chegar a um ponto em que a história se torna mais profunda, a nível emotivo, é muito gratificante, para quem lê a Odisseia pela primeira vez.Os versos que falam de Argos, são, também, extremamente comoventes e bonitos, é fantástico numa obra tão antiga, ser descrito já o papel do animal, fiel e amigoMarlene Andrade (Psicologia)

  2. O canto que mais me marcou foi o XXIV, porque marca o reencontro de Ulisses com o pai, Laertes, após vinte anos de separação. Assinala a força dos laços familiares, o espírito de família, infelizmente cada vez mais em desuso nos dias de hoje. O episódio é comum em outras obras literárias (a própria Bíblia retrata o regresso do filho pródigo e a comunhão, o perdão entre ambos), mas na Odisseia tem uma força diferente, porque Laertes quer acreditar, mas ao mesmo tempo duvida. E quando pede a Ulisses que lhe dê um sinal, é quase como se tivesse medo de que o seu filho não estivesse ali, que fosse um impostor. Ulisses recorda os tempos de infânca, felizes, com a mãe e com o pai, e o seu progenitor reconhece a sua veracidade. Abraçam-se, o epílogo feliz da odisseia do aventureiro, o regresso a casa, à família e sobretudo à terra que tanto amava.O guerreiro está de volta, as armas estão pousadas.A tragédia ficou para trás, o último canto é de felicidade, que pode ser romanceado, mas que todos nós, no fundo, ansiamos.Desde o primeiro capítulo que desejamos que Ulisses regresse a casa. Homero (ou quem passou a épica da oralidade para a escrita) fez a vontade aos leitores. É uma forma de realçar o heroísmo grego, uma forma de contar os feitos do povo e sobretudo dos seus heróis, mas não deixa de ser uma história com um final feliz.Alda Rodrigues (CCO)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s